A importância do contato entre mãe e filho na amamentação

Desde o início dos tempos, as mães sempre recorreram ao leite materno para alimentar seus filhos recém-nascidos. Porém, entre os séculos XVI e XVIII criou-se um mito de que amamentar envelhecia o corpo mais rapidamente, o que fez com que várias mulheres passassem a substituir o seu próprio leite por leite de vaca e outros tipos de alimentos. A  consequência foi um considerável aumento da mortalidade infantil, e assim no final do século XVIII ascampanhas em favor da amamentação foram retomadas. Mas ainda hoje podemos observar os efeitos negativos que esse mito causou. As mulheres perderam grande parte do seu instinto natural, que somado ao estresse do dia a dia faz com que muitas sintam extrema dificuldade ou incapacidade de amamentar, muitas vezes apenas por questões psicológicas.

Quando é esse o caso, o acompanhamento de um médico especializado é essencial, e este deve prescrever uma forma láctea ideal ou receitas de diluição que permita o crescimento saudável do bebê. Porém, o grande desafio ainda é fazer com que toda a população entenda, não só a importância do leite materno em si, mas especialmente a importância do ato de amamentar.

O que isso quer dizer? O leite materno não é apenas uma fonte de alimentação. Quando o bebê chora procurando pelo seio da mãe nem sempre ele está com fome, mas apenas precisando se sentir seguro. É através do ato de amamentar que se criam os primeiros laços de amor, as primeiras comunicações entre mãe e filho. O bebê sente o seio materno como um segundo útero, um local de aconchego e proteção.

Após o corte do cordão umbilical, o recém-nascido demora algum tempo para se adaptar a nova vida. Ele se sente perdido como se o tivessem desconectado de sua mãe, da casa onde ele se sentia seguro, e é através do seio que ele se reconecta.

Por isso, mesmo que a mãe esteja incapacitada de oferecer o seu próprio leite, ela deve simular e repetir sempre esse ritual. Pois o importante não é apenas o leite e o seio materno, mas o conjunto desse momento em que a criança poderá sentir todo o amor nos embalos, na voz e nas carícias de sua mãe, evitando que ela sofra qualquer tipo de problemas emocionais e carências afetivas durante o seu desenvolvimento.